Barbara Marcel

barbara.marcel@yahoo.com.br


A SELVA É A CABEÇA

2013, Rio de Janeiro/Berlim. Projeção de Vídeo (um canal), cor, áudio, 7 min 35s em loop, Formato Full HD.

Planos de uma Floresta Tropical coberta por fumaça. Feixes de um dia solar dão corpo ao movimento da fumaça. O vento, ora revela, ora esconde, a densidade Floresta. Em um jogo de opacidade e transparência, a fumaça nos faz perceber o vento entre as árvores. No interior da mata atlântica do Rio de Janeiro, em dia de lua minguante, uma mulher dá início ao cultivo do milho, segundo o ritual indígena guaraní.

„¿Con cuántos árboles se hace una selva? ¿con cuántas casas una ciudad?“ ORTEGA Y GARSSET, José, Meditaciones del Quijote

Durante uma viagem ao Brasil, fui convidada a participar da inauguração de uma Oca, construída por amigos que vivem em Pedra de Guaratiba, um bairro na zona oeste do Rio de Janeiro mais próximo da Mata Atlântica e do mar. O grupo havia realizado uma oficina sobre a construção de Opy (casa de reza guaraní), a partir de métodos de reciclagem e aproveitamento de recursos naturais da região para uma construção sustentável. No dia seguinte à cerimônia de inauguração, iniciamos o plantio do milho, limpando o terreno com o corte e queima de uma pequena parte da mata. O vídeo „A selva é a cabeça “é resultado dessa experiência com o grupo e a aproximação com os rituais guaranís de construção e cultivo.

No contexto da exposição “Return to forever”, realizada em Abril de 2013, na Galeria do Centro checo de Berlim, o vídeo é pensado como uma segunda janela para o exterior da galeria, que já conta com uma vitrine de vidro para a rua. O desejo de integração entre interior e exterior è uma das características presentes na arquitetura do prédio brutalista, construído entre 1974 e 1978 em Berlim. Ao projetar o vídeo no fundo da sala, estabeleço um diálogo entre o espaço de uma floresta exterior, e as demais paredes de madeira do interior da galeria. O prédio e o corpo da sala, vistos como uma grande escultura, serão mais uma vez re-vestidos. A imagem e os sons da Floresta tropical brasileira, criam uma atmosfera nesse espaço, e são re-significados por meio de um novo contexto. O vídeo foi pensado e editado para esta sala, e tem como premissa questionar as operações que a imagem em movimento é capaz de realizar ao se levar em conta o espaço de sua projeção, a choque que surge desse encontro, e suas potenciais significações e afetos a serem preenchidos.


10/14

A SELVA É A CABEÇA
A SELVA É A CABEÇA
A SELVA É A CABEÇA
A SELVA É A CABEÇA
A SELVA É A CABEÇA
A SELVA É A CABEÇA
A SELVA É A CABEÇA

Barbara Marcel

2018