Barbara Marcel

barbara.marcel@yahoo.com.br


ZKM - TERRESTRIAL UNIVERSITY

Terrestrial University: Ciné-Cipó – Cine-Liana at Amazon Tall Tower Observatory

Barbara Marcel em conversa
Quinta-feira, 08.10.2020, 19h

A impenetrável extensão da floresta amazônica e a proximidade de ondas sonoras localmente acessíveis de uma estação de rádio comunitária, conhecimento científico e conhecimento tradicional, processos globais e regionais - o trabalho artístico de Barbara Marcel é uma tentativa de sensibilizar as pessoas para a complexa interação dos processos de vida na região amazônica.

A floresta tropical amazônica é de importância global: ela produz grande parte do oxigênio do planeta, filtra e reprocessa o nocivo dióxido de carbono do mundo, tem impacto no ciclo da água que afeta os ciclos oceânicos e estabiliza o clima. Localizada no meio da floresta amazônica, o Observatório da Torre Alta da Amazônia (ATTO) tem como objetivo estudar as interações entre a floresta, os solos e a atmosfera da região, a fim de compreender o papel da bacia amazônica para o sistema terrestre. A torre faz parte de uma cooperação internacional entre Brasil e Alemanha, construída e financiada pelo INPA (Instituto de Pesquisas Amazônicas) e pelo Instituto Max-Planck.

No projeto artístico "Ciné-Cipó - Cine-Liana" (2020) a artista brasileira Barbara Marcel propõe uma transformação temporária da torre em um espaço de trabalho de rádio comunitária para uma peça colaborativa entre cientistas naturais e duas ativistas locais e comunicadoras populares da Reserva Extrativista do rio Tapajós-Arapiuns (Resex Tapajós-Arapiuns). Os resultados científicos e os saberes tradicionais são colocados em relação, formando uma aliança para a defesa da biodiversidade amazônica. Os dados atmosféricos e terrestres são traduzidos em comunicação popular através de um programa de rádio com anúncios, entrevistas e canções. Durante o processo, evidências científicas e conhecimentos ancestrais por vezes se cruzam e ocasionalmente se desconectam, enquanto a comunidade científica escuta e também aprende mais sobre as lutas em defesa dos territórios e da subsistência local das populações amazônicas, desmistificando suposições universalizantes.

A conversa entre a artista e a curadora, Bettina Korintenberg, se concentrará no processo de desenvolvimento da investigação artística em torno dos encontros com os cientistas e as ativistas locais que sensibilizam para a complexidade e heterogeneidade de uma interação de processos de vida na Amazônia para além dos conceitos definidos de natureza, meio ambiente e crise climática.




5/8


Barbara Marcel

2021